12 julho 2011

Amores

Amor atropelado pela separação dilacera o coração,
atrapalha até a respiração
e esvazia a gente do sentido, do rumo,
deixando somente uma casca... fora do prumo.

Paixão rasgada afeta o estômago,
tira a fome e retarda o acordar,
deprimindo o sorrir, curvando o olhar.

Não há remédio para deixar de amar;
pode beber, comer, chorar, que não vai passar...
Há apenas uma forma de pensar, que pode atenuar:

É subir um degrau e ver no amor incondicional, o corpo,
cujas células são os amores mundanos, que mesmo doentes e de luz ausentes,
não conseguem tirar o brilho do maior de todos os sentimentos sobre-humanos.

Taddeu Vargas

Um comentário:

valquiria disse...

O amor combustivel dos poetas, das noites e dos sonhos.

Olá amigo, deixo meu abraço.