12 fevereiro 2010

Solidão e Descoberta



Ontem me ligou a Maria Amélia, amiga de outros carnavais, - pra não dizer que não citei a grande festa do povo brasileiro, que começa amanhã - para pedir ajuda, pois se dizia a beira da loucura por causa da solidão que estava sentindo.

Segundo ela, uma conjugação de uma profunda tristeza associada a um sentimento de rejeição de todos em relação à presença dela. Além disso, vários sentimentos acessórios - como falta de identificação e de vazio existencial - orbitando o núcleo da questão, que segundo ela era a solidão.

"Faz uma frase Taddeu, por favor, aí eu durmo com ela!", suplicou a maria confusa, sentindo-se, em sua própria vida, uma intrusa!

Quando trabalhávamos juntos, ela adorava me pedir: "Faz uma frase vai!", tentando explorar minha habilidade de sintetizar pensamentos na construção de frases, slogans, etc., que era o meu trabalho. Agora ela necessitava, não por capricho, de uma expressão curta, para com ela saturar sua mente e com isso ter um pouco de paz.

O Teddy, que a tudo ouvia, sussurrou dentro de mim:
"Só há uma forma de combater a solidão: é ficando só!"

O slogan anti-solidão estava criado!

Aproveitei a situação e contei pra ela do Teddy, esse sujeito que divide comigo as AMARguras e alegrias desta vida, embora ele só veja as coisas a partir da alegria e não da amargura. Falei também que a solidão não requer a falta de outras pessoas e geralmente é sentida mesmo em lugares densamente ocupados.

Pra quem chegou agora e não conhece o Teddy, (veja post Conversando com o Ser Interior – dez2009) ele é o Ser Interior que me habita, ou onde estou instalado, depende do ponto de vista, mas, enfim, meu objetivo era mostrar a ela que jamais estamos sozinhos e que nesse condomínio que chamamos de eu, fomos os últimos a chegar.

Maria curiosa me ouvia atenta. Depois me encheu de perguntas e acabou concordando que o Teddy é um craque na criação de sentenças sintéticas. Antes de desligar o telefone, disse que ia dormir satisfeita, mas antes tentaria conversar com a Melly, já que não se sentia mais só.

TaVar

8 comentários:

o mar e a brisa do prazer de aprender disse...

Vivemos na falsa ilusão de sempre quem está cheio de amigos é feliz.
Podemos estar rodeado de amigos e nós sentir extremamente só.
A verdadeira mudança ocorre no escuro e vazio de nossa vida. O silêncio e a solidão atualmente é proibido. Abraços criativos

Dora Regina disse...

A nossa felicidade está em nós mesmos. Projetar a felicidade em uma outra pessoa é um erro da nossa parte, acredito que todos nós passamos por isto algumas vezes, eu ja me senti assim muitas vezes e de vez em quando ainda me sinto...
É um vazio que não tem explicação...
Um grande abraço, bom carnaval!!!

Taddeu Vargas disse...

Olá Marisa (o mar e a brisa do prazer de aprender). A verdadeira percepção do que é, não se tem quando a dois, quanto mais três, dez, mil! Volte sempre! Beijo enorme.

Taddeu Vargas disse...

Oi Dora, você tem razão, somos a perfeição de Deus, e detentores de todas a felicidade possível, embora não reconheçamos isso. Fique com Deus. Obrigado pela visita. Beijão.

Silvia Masc disse...

Há muito tenho o hábito ao acordar, de abrir as janelas e dizer: Bom dia, dia! Hoje serei feliz com o que tenho e com o que está reservado pra mim... há muito tem funcionado, e tenho vivido com muita serenidade o meu presente, a VIDA.
Gostei muito do que li por aqui.
abraços

Taddeu Vargas disse...

Olá Sílvia, muito obrigado pela visita.
Aos poucos a humanidade vai descobrindo os valores espirituais da vida e quanto mais isso acontece, mais as pessoas se voltam para si. Esse é o caminho! Volte sempre! Abraço forte.

Iolanda disse...

Parece-me que esta maria anda meio depressiva, novidade nenhuma neste universo de corre-corre. Seu blog é adorável, poético. Amo a a alma dos poetas. Bjs.

Taddeu Vargas disse...

Olá Iolanda, muito obrigado pelas palavras carinhosas e elogiosas. A depressão é um erro de foco, segundo minha apreciação leiga, - do ponto de vista científico - mas que funciona por outros motivos, que a ciência parece ainda não muito "aparelhada" para investigar. Volte sempre! Abraço muito forte.